sexta-feira, 19 de março de 2010

José, é o nome de meu PAI

Sereno e confiante
Desliza sobre o monte
Um olhar penetrante
Que sempre
Atinge o céu
Quando se remete
Ao silêncio
Que o conduz
Para longe
Quando o dia
Se faz breu
*
José, é o nome de meu PAI
*
E será eternamente
Um fio que nos liga
Ao sonho e à vida
Como um rio
Capaz de nascer
E perecer
Sem ter que passar
Pela dor re-vi-vida
Aquietando as correntes
Em pura ascensão
Que nos farão
Renascer de novo
*
Por se comemorar o dia do Pai, lembrei dele.
José Marques,
um nome como tantos outros que nasceram
por terras Beirãs e lá se fizeram homens.
Foi criança, que brincou,
estudou e trabalhou
Foi militar, e ao mesmo tempo casou
Foi migrante e em Lisboa se instalou
Mas é lá,
entre a Serra do Montemuro e o Rio Paiva que o vejo, até hoje,
onde vive ainda com 78 anos

2 comentários:

Sonia Schmorantz disse...

Quero ser o teu amigo. Nem demais e nem de menos. 
Nem tão longe e nem tão perto. 
Na medida mais precisa que eu puder. 
Mas amar-te sem medida e ficar na tua vida, 
Da maneira mais discreta que eu souber. 
Sem tirar-te a liberdade, sem jamais te sufocar. 
Sem forçar tua vontade. 
Sem falar, quando for hora de calar. 
E sem calar, quando for hora de falar. 
Nem ausente, nem presente por demais. 
Simplesmente, calmamente, ser-te paz. 
É bonito ser amigo, mas confesso é tão difícil aprender! 
E por isso eu te suplico paciência. 
Vou encher este teu rosto de lembranças, 
Dá-me tempo, de acertar nossas distâncias...
Fernando Pessoa

Um domingo de paz e amor junto aos seus!
abraço

Bruno Resende Ramos disse...

Uma bela e prestimosa homenagem a quem de direito, o vosso pai.

Parabéns!